quarta-feira, 10 de outubro de 2007

Um dia a montanha foi mar...(Clevane Pessoa)






Um dia a montanha foi mar...



Clevane Pessoa de Araújo Lopes



Os dedos do poeta que escreveram versos

em corpos marcados de poeira e amoras,

compensados pelo cheiro impossível dos impedimentos.

Molharam-se na maresia das praias desertas e jamais dantes

percorridas pelos os róseos pés aquecidos ao sol intenso...

Criaram ,com as suaves unhas, hieróglofos em forma de cunhas

para que quando as asas do tempo trouxessem viajantes do futuro,

e então aquele amor estranho e intenso de amantes

fornecesse matéria abstrata para o código abstrato,

os estudiosos se perguntassem se era plausível, possível,concebível,

que se amasse tanto assim, através dos dedos da alma,dos dedos das mãos

já antigas quando tudo começou e deixou signos e signais...



Mar, não existe nehum mar agora,e apenas atrevidas, erguem-se as montanhas,

as montanhas fartas ,verdes e sensuais das Minas Gerais,

que escondem nos seios e nas ancas , nos ventres misteriosos e grávidos,

tais segredos ancestrais...



E eu, que ao ler os versos do poeta, passo os lábios e encomprido os olhos sensuais,

quero ouvir sua voz, e pensar que foram escritos para mim, esses poemas embalsamados:

juro que têm gosto de sal e de algas, de sol e de estrelas -do -mar,

gostos de praias e peixes , os mesmos cheiros e sabores que ,por atavismo ,teimosos,

guardam-se na concha resguardada entre minhas pernas bambas,

a aguardar, séculos após, que desenhes novas letras e rimas no meu corpo

e que com tua língua antiga e sábia, o sal e o calor lambas,

em busca da pérola nacarada que resgatarás da leve espuma

para o prazer sutil e absoluto,para a riqueza acumulada em tempo de espera...



Na montanha , houve mar,em priscas eras, onde amaste outras mulheres

mas quem se guardou inteira para o equinócio da primavera

e preservou rosas esverdeadas e cheias de ondas, salgadas e perfumadas

fui eu, para teu gozo, musa de teu sonho, de tua luxúria, de tua im/paciência...



Por isso, leio tua Poesia magistral e catártica,plena de códigos
para mulheres de outrora
e acredito, entre ingênua e buliçosa,

que escreveste ,mesmo sem saber, todos os códigos da rosa,

para que eu a lesse e entendesse, decodificasse e repondesse, um dia...



BH, 10/10/2007

2 comentários:

Marco Aurélio disse...

Amar o amor, traçar versos na areia, eternos, com os dedos da alma. Reviver o paraíso, a idade de ouro. Um dia o mar vai virar sertão e o sertão vai virar mar. A poesia é o lugar de todos os encontros possíveis e impossíveis.

Maluko Beleza disse...

LINDA,SENSIVEL....SEM PALAVRAS...
BEIJOS...